segunda-feira, 25 de junho de 2007

Quando acordo, quem sou quando me encontro? Um pouco que não é o que sou. Um ente perdido no vazio sem identidade. E se esfuma este pequeno ser que irrompe na antecipação da consciência. É minha tábua rasa, meu eu oco de experiência, sem memória. Esse sou eu mesmo, porque o outro já me traz somente como fenómeno residual. Porque sou então tão pouco de mim?


João Vasco

2 comentários:

rebeca pm disse...

"Na generosidade e ajuda alheia
sê como um rio
Na compaixão e na graça
sê como o Sol
Na constatação da falha do Outro
sê como a noite
Na ir e na fúria
sê como os mortos
Na modéstia e na humildade
sê como a Terra
Na tolerância
sê como o mar
Mostra como és ou sê aquilo que pareces"
Mevlana Celaleddin-i Rumi


Rebeca PM [do hi5]

ci disse...

és em ti aquilo que queres ser...e não aquilo que os outros pretendem que sejas...:)

beijos incomuns da ci