quarta-feira, 6 de junho de 2007

Já não me lembro das últimas palavras que disse. Há quanto tempo isso foi? Muito? Pouco? Não tenho ideia. Pode ser um problema de memória ou uma crónica falta de atenção. A falta de atenção não é mais do que uma atenção descentrada da realidade objectiva (prodigalizada pelas percepções de nossos sentidos) e focada numa qualquer elucubração. Dualidade confusa. Em que me devo atentar? Porque o tempo não espera…E as palavras de cada instante já foram ditas ou ficaram por dizer. Poderão ainda vir a ser ditas, mas já serão outras ainda que as mesmas. E quais foram as que eu disse? São as mesmas de sempre, não tenho muito para dizer, não há muito para ser dito…

João Vasco

Um comentário:

inês leal, 31 anos à volta do sol disse...

eu, quando estou assim, dedico-me ao apenas "sentir"...*