sábado, 29 de novembro de 2008

O frio é meu orgão interno


Foto de Mara Mitchell

Murcharam todas as plantas que havia

E meu jardim dói na corda do sangue quente

Que abranda sua força em tons de azia

No mármore gelado de alma indigente.


Já não chove há tempo que não conto

E alastra-se a areia pela minha cegueira

Como se um deserto se fizesse pronto

Feito segredo escondido na algibeira.


Há árvores a brotar que rasgam carne

Na pressa arrastada de se nascer,

Cada ornato selvagem que me guarne

É uma vida enfeitada de apodrecer.


Trago o frio como órgão interno,

A noite é a linfa por mim como o acaso,

Em meus pulmões respira-se Inverno

E neva, neva em meu monte Parnaso.


Se me olho ao espelho não vejo nada

Espectro que se faz naquele amaro sabor

De maré baixa no cais de alma varada

Pelas adagas glaciais do funesto amor.


João Vasco

2 comentários:

Olhos de mel disse...

Meu amigo lindo! Intensamente bela e intensamente triste! O inverno e outono nos traz essa melancolia. Mas não se permita vivenciar isso por muito tempo.
Eu queria que o Natal voltasse a ter seu verdadeiro sentido, porque o apelo do comércio transformou-o, apenas, em troca de presentes e assim perpetua e acentua ainda mais a discriminação social, porque é um dia imensamente triste para crianças pobres, que não podem ter papai noel, nem uma ceia digna.
FELIZ NATAL e que o ANO NOVO seja de realizações, paz, saúde e amor!
Beijos

Olhos de mel disse...

Meu querido João!
FELIZ ANO NOVO!
Que ele seja de luz em seus caminhos,
que a paz seja cada vez mais possível
e o amor e justiça renasçam nos corações
da humanidade!
Obrigada pela nossa caminhada, por me
permitir fazer parte de seus amigos.
Beijos